Blog WireMaze

Sherlock jpg 1 847 450
2022/01/14

Quantos Sherlock Holmes tem a sua autarquia?

Mais de 7 milhões de portugueses possuem acesso à internet. Use-os como o seu Sherlok Holmes para perceber os problemas micro da sua autarquia.

O buraco na rua, o candeeiro estragado, o caixote do lixo virado, o animal na rua, passeios danificados, muros em risco de queda ou vespas asiáticas são alguns dos muitos casos que o cidadão pode descobrir no seu território e ajudar reportando.

A forma como os cidadãos acedem à internet evoluiu imenso, seja para consultar o email, ver as notícias, aceder às redes sociais, efetuar compras ou até aceder à informação do município.

A comunicação autárquica assume um papel essencial junto dos cidadãos para divulgação de informações, horários e funcionamento dos serviços, apoios para os cidadãos, processos de recrutamento, e entre outros.

As autarquias com mais êxito são as que têm investido na construção de canais de comunicação digitais junto das suas populações ao longo dos últimos anos.

O sucesso na comunicação por parte das autarquias é alcançado com a soma de uma variedade de ferramentas e soluções técnicas que garantem a chegada aos cidadãos.

Como sabemos a criação de uma maior proximidade entre autarquia e o munícipe é um trabalho com-plexo, mas é o caminho que se deve percorrer para uma sociedade melhor.

Uma das ferramentas essenciais para uma boa relação e comunicação em tempo real com o cidadão é a gestão de ocorrências.

O objetivo da gestão de ocorrências é promover a participação ativa do cidadão na sua autarquia e facili-tar a comunicação bilateral, e encurtar os tempos de resposta.

Na sociedade moderna em que o tempo é o fator mais valorizado, as ocorrências apresentam-se como um pilar fundamental para a satisfação dos cidadãos.

Cidadãos mais satisfeitos produzem mais, têm menos probabilidade de mobilidade para outra autarquia e compreendem melhor as dificuldades existentes.

É assim vital dotar os munícipes de ferramentas que permitem comunicar ocorrências em tempo real, categorizando-as e definindo a sua localização exata, por forma a que os serviços municipais possam atuar com celeridade. Ou seja, este canal com o cidadão deve existir quer no site quer na app autárquica.

A categorização é importante já que permite encaminhar para o serviço correspondente o pedido, bem como de forma pedagógica indica quais as áreas de atuação da autarquia. Se o cidadão pretender queixar de um carro roubado percebe que não é responsabilidade desta entidade pública.

Estão assim erguidas as bases para que o problema seja respondido, e de preferência resolvido, com eficiência.

O cidadão deve poder anexar fotografias das situações reportadas, permitindo assim uma análise mais rápida, detalhada e criteriosa por parte da Câmara Municipal ou Junta de Freguesia. Tal ajuda a, no local, perceber exatamente qual o problema, ou antes de ir ao local perceber se vamos ter de prever outras situações.

Em caso de dúvida a autarquia deve poder contactar o cidadão que reportou no sentido de obter informação mais específica (ex.: exatamente em que parte da rua? qual a descrição do animal errante? A luz ficava do lado direito ou esquerdo da estrada?).

O registo das intervenções, deve ser usado numa análise futura, para produzir estatísticas, para planear planos preventivos e até para garantir rastreabilidade da resposta.

Uma boa gestão de ocorrências por parte das autarquias torna-se fulcral pois permite o aumento da confiança dos cidadãos. As autarquias ganham porque sem trabalho recebem um relatório dos problemas que afetam o dia-a-dia da comunidade, dando a possibilidade de resolver as situações de forma mais rápida e eficaz.

Não esquecer que as ocorrências também podem ser usadas de forma criativa.

A Junta de Freguesia de Matosinhos e Leça da Palmeira foi uma das autarquias que utilizou a gestão de ocorrência para ultrapassar as dificuldades durante a época de pandemia.

Conheça melhor a estratégia adotada pela mesma no artigo. “Dê ao freguês um papel ativo na melhoria da freguesia!”

Outros exemplos de autarquias que utilizam plataformas para a gestão de ocorrências são Guimarães, Maia e Esposende.

Anualmente são milhares as ocorrências comunicadas. São milhares de oportunidades que estas autar-quias têm de dizer ao cidadão que estão presentes no seu dia-a-dia e são parte da solução.

Sabendo que vivemos numa era em que já é possível comunicar à distância de um clique, do que a sua autarquia está à espera para melhorar a sua relação com o cidadão?

Artigos relacionados:

“A sua autarquia ainda não tem uma App?”

“Guimarães: Bruno Oliveira revela novidades e estratégias do novo site e da nova App!”