Blog WireMaze

Pano de muralha 1 847 450
2022/02/23

Guimarães: 4,3,2,1…É hora de abrir as portas!

O turismo é para muitos a maior fonte de subsistência e de rendimento. Em Portugal temos a grande capacidade de bem receber e bem acolher os nossos turistas.

Contudo, devido a esta pandemia que nos obrigou a “fechar portas”, o turismo e os municípios tiveram que se adaptar e adotar novas estratégias.

Então, depois de tantos confinamentos a questão é: “está pronto para abrir as portas?

Não?

Sente-se inseguro?

Sem problema! Siga os 4 bons exemplos de instituições públicas. Quais?

Vamos deixar três em suspense. Apenas um artigo para um tema tão importante como este, seria injusto.

“3 é a conta que Deus fez!”

Mas nós fomos audazes e decidimos acrescentar um bónus! Foram 4 as instituições públicas que, a nosso ver, se destacaram pela forte estratégia para salvar o turismo local.

Vamos conhecê-las!

Iniciamos a nossa viagem por Guimarães, terra de D. Afonso Henriques, cuja frase “Aqui nasceu Portugal” é já uma referência turística.

Mais do que um local histórico e congelado no tempo, Guimarães hoje assume-se como um importante epicentro cultural, turístico, académico e empresarial de Portugal.

Estivemos à conversa com Paulo Silva, Vereador da CM de Guimarães, que nos elucidou sobre as estratégias seguidas e o racional por detrás das mesmas.

 

Qual a estratégia que utilizaram para que o turismo local volte a crescer?

Na sequência do início do Plano de Ação da Estratégia de Turismo de Guimarães, e tendo em consideração todas as restrições de circulação de turistas, Guimarães tem feito uma aposta forte na estruturação e diversificação da oferta turística.

Indo ao encontro, por um lado, do que está definido em termos do alinhamento da estratégia para os próximos anos, designadamente, em termos de unificação do território e, por outro lado, em termos de alinhamento com as políticas locais e nacionais em matéria de sustentabilidade.

Neste contexto, e considerando a afirmação de Guimarães como destino histórico-cultural, avançamos com a estruturação da oferta do território fora do centro urbano, numa perspetiva de alavancar o turismo de natureza e de bem-estar, bem como, de dispersar a concentração no Centro Histórico, com uma oferta diversificada e atrativa, capaz de cativar o turista para prolongar a sua estada em Guimarães.

São exemplos desta estratégia os novos materiais de divulgação da Montanha da Penha (com candidatura a área de paisagem Protegida), a qual tem uma relação de proximidade com o centro urbano através da ligação de teleférico, o Mapa das Caldas das Taipas, conhecida pela Estância Termal e pelo Spa Termal, bem como pelos Parques e áreas verdes ao longo do rio Ave, que estão a ser requalificados, e o Mapa Turístico de S. Torcato, local conhecido pela Basílica e pelas Festas e Romarias, mas também com uma riqueza paisagística e um local tranquilo para repor energias.

Ainda neste âmbito, alargamos a rede de aderentes ao Produto “Enogastronomia em Guimarães”, e apostamos na valorização dos produtos endógenos, envolvendo produtores e restaurantes.

Por forma a valorizar a oferta turística, houve, de igual modo, uma aposta na Formação dos Agentes Turísticos locais e lançamos um plano de formação certificado gratuito em 2021, em colaboração com as Escolas do Turismo de Portugal, dirigidos a gestores e funcionários dos restaurantes, estabelecimentos de alojamento e empresas de animação turística de Guimarães e onde as questões da sustentabilidade foram alvo de módulos específicos de formação.

Em matéria de sustentabilidade ambiental e económica, destaque ainda para o galardão “Green Key”, alcançado por estabelecimentos de alojamento e restauração (ABAE), bem com o projeto em curso “Greentour”, projeto de âmbito europeu, do qual Guimarães é o único município integrante ao nível nacional.

Não deixamos de lado a importância da comunicação digital e lançamos novo website no verão de 2021, com novas valências e mais dinâmico e apelativo.

Apostamos, igualmente, numa campanha ao nível nacional e Galiza, com ênfase em publicações digitais e vídeos promocionais.

Em 2021, o Turismo de Guimarães aderiu à ATP – Agência de Promoção Turística Externa do Norte, como aposta na promoção externa ao nível europeu e mundial, por forma a fomentarmos e amplificarmos a promoção turística de Guimarães.

 

Quais as maiores dificuldades que sentiram neste processo de reabertura do turismo?

A atividade turística nacional estará em 2022 ainda muito dependente da evolução da situação pandemia e do nível de insegurança sanitária ao nível dos viajantes.

As dificuldades são transversais a todo o território nacional e Europa.

Sente-se já um processo de evolução gradual que nos deixam otimistas, esperando que este ano seja um ano de retoma sustentada, prevendo-se para finais de 2023, início de 2024, o regresso aos números pré-pandemia.

 

Quais os 4 passos fundamentais para que, este processo de reabertura do turismo, seja bem-sucedido?

Desde logo o estreitamento de laços de confiança entre stakeholders e operadores com os visitantes. Esta fase será fundamental para a promoção da transição energética e a agenda para a economia circular das empresas turísticas, envolvendo os stakeholders do setor num compromisso conjunto de transformação da oferta e sustentabilidade do destino.

Em Guimarães, o caminho do desenvolvimento sustentável é percorrido de forma transversal pelas políticas públicas, e tal faz-se sentir também em termos de Turismo, como já referido.

Também iremos fazer uma aposta na área de Turismo de Congressos. Temos equipamentos diferenciados, com capacidade para atrair este segmento de mercado, e receberemos um importante congresso do setor.

A área da criatividade e expressão artística, tem sido uma aposta, com ênfase a partir do evento europeu CEC2012, com aposta clara na área das artes performativas e nos espetáculos culturais de projeção internacional, posicionando Guimarães como destino de cultura e eventos.

 

 

A nossa viagem não fica por aqui…venha connosco! No próximo artigo vamos viajar até ao nordeste transmontano. O resto? Ficará por revelar.

Em caso de dúvida, não hesite em contactar-nos.

Para ficar a par de artigos como este subscreva a nossa newsletter: https://wmcp.pt/1lzmzn.